sábado, 1 de outubro de 2011

Jardim dos charros.

Ócio. Contemplar a beleza que percorre a faculdade, entre palavras amigáveis. À medida que as palavras correm e a viagem acelera, só me lembro de agradecer à faculdade por ter uns azulejos tão assustadores no meio de um jardim tão encantador. Amo-te, charro.

Entro na orgia intelectual. E o movimento dos quadrados acelera e faz-me sentir que o meu inconsciente veio ao consciente para criar. Dois dias em beleza porque te amo.

Mas, Ofélia... Eu vou ter com o Platão à biblioteca. Desculpa, mas eu, o teu "Persona", vou para a biblioteca ter com o Objecto da minha Paixão. Ofélia, porque me tratas por Persona? Se, "Persona era o nome da máscara que os actores do teatro grego usavam. Sua função era tanto dar ao actor a aparência que o papel exigia, quanto amplificar sua voz, permitindo que fosse bem ouvida pelos espectadores." 

Ofélia, eu quero dormir com o Mario de Sá-Carneiro. Artista de circo, eu existo, eu não represento.

Deambulo nas tuas entranhas minha querida. Porque sou teu filho e eterno amado.

Hoje lembrei-me que te amo, Ofélia.

Sem comentários:

Enviar um comentário