segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Dogmatismo ingénuo.

Filho da negação,
Vontades além da formatação
Não há amor verdadeiro
Sem ódio.

O tempo não passa, estagna,
Eu dou vida ao tempo que não há em mim.
Douta ignorância, o mundo nunca foi alguma coisa.

Sem comentários:

Enviar um comentário