sábado, 12 de novembro de 2011

Longevidade.

As palavras mordem-me os lábios,
O desejo é atroz,
O beijo é veloz

A intensidade pede longevidade
São trocadas emoções
Sensações pedem para que dure
Promessas na ânsia de não serem vãs
São beijos nas tuas maçãs

Um rasgo de prazer
Sob a égide do teu beijo
O odor do teu corpo
A abraçar o meu

Sobre palavras que eu podia dizer
Sobre palavras que tenho guardadas
Sobre cansaço que pede que fiques para sempre
A lucidez amarga o meu ser.
Se é que sou alguma coisa.

Crença convalescente
De que o Amor é desejo ardente
Que o amor é evidente

O teu corpo veste o nu
Para tocar no meu já despido
Tenho lido
O teu rosto
Tenho lido a tua alma.


Acredito que a mancha vermelha
Que marquei em ti,
Seja um sinal de eternidade
Quero longevidade
E ser eterno em mim
Já que em ti ficarei para sempre


Só prendo as palavras porque não posso
Dar-tas mais.

Quero amar-te mais.
Quero que estejas sempre aqui.
Acredito em nós.
Acredito, pois.

Sem comentários:

Enviar um comentário