terça-feira, 22 de novembro de 2011

Palavras surdas.

Dois corpos comunicam em convexo.
Um aglomerado de pessoas que se julga
Qualquer coisa
Ainda que inerte

E isso remeta
Para substâncias
Psicotrópicas

Contrariam-se as leis do absurdo
Porque as da física já foram todas contrariadas
Vão palavras em ventos
Secos
De qualquer coisa além de mim

Poesia que nasce em ciclo
De pensamentos
Que nunca cheguei a pensar.

Sem comentários:

Enviar um comentário